“O filho de Saul” mergulha na podridão do Holocausto

Imagine que você está no Inferno. Melhor: leia um pouco do Inferno de Dante, pense no caos que ele descreve ao atravessar os nove círculos – com gemidos, punições, sofrimento, sangue e morte espalhados por todos os lados. Pense que você caminha trombando em corpos, esgueirando pelas paredes, tomando tapas da cabeça a cada olhada para o lado.

“O filho de Saul”, de László Nemes, recebeu o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro deste ano, além do Globo de Ouro, do Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes e diversos outros prêmios. O filme húngaro conta a história de Saul, um judeu que transita neste Inferno. E o inferno é, na realidade, personificado pelo campo de concentração onde se encontra.

Saul tem como tarefa recolher os corpos dos outros judeus trucidados pelos nazistas e queimá-los. A tarefa tornara-se corriqueira e o homem, de certa forma, parece ter perdido sua humanidade. Como percebemos isso?

É a câmera.

Sim. A câmera.

A câmera fica o filme inteiro ao lado do personagem. Ao lado mesmo. É como se mesclasse uma subjetiva com câmera objetiva. É muito diferente do que estamos acostumados a ver. Ela é mais intensa do que alguns dos filmes dos irmãos Dardenne (que utilizam o mesmo recurso). Fica na mão o tempo todo, acompanhando o frenético movimento do protagonista. A imagem é tão próxima do personagem, que chega a sufocar. Às vezes parece que ela perde Saul de vista, mas logo o encontra novamente.

Os sons martelam em nossas cabeças e se fundem à imagem alucinada que acompanha Saul. Quando surgem situações em que aglomerações se formam (e isso ocorre com frequência), a confusão de sentidos é evidente.

Assistir a este filme pode incomodar. Na realidade, vai incomodar. Mas você tem que estar preparado para passar por esta experiência. Não é a mesma coisa que ver “A lista de Schindler”, nem mesmo “A escolha de Sofia” ou “O pianista”. Estes filmes têm enredos, história que se desenvolvem de forma tradicional. E te fazem chorar no final. Aqui não: é um pequeno evento na vida do personagem. Este ganhará desdobramentos graves, mas é apenas um pequeno evento: ele vê um rapaz morrer na câmara de gás e entende ele como seu filho. “Rouba” o cadáver e quer dar um enterro digno, nas tradições judaicas, para o rapaz. E acaba por aí. É isso o que o personagem quer. Você talvez chore, mas não é este o sentimento. O que se gera é o desespero, o medo e a estupefação.

Com esta atitude, talvez Saul esteja em busca de sua redenção. Perdera sua humanidade. Será que a quer de volta? Talvez não seja isso. Pode ser apenas uma válvula de escape de um inferno estabelecido que poderia ser suplantado pelo retorno à sua fé.

O filme voltou em cartaz para algumas salas, então aproveite para assistir. Mas lembre que, apesar de ser uma experiência incrível, não é um filme fácil de digerir. O horror do Holocausto salta aos nossos olhos.

saul

Anúncios

Um comentário sobre ““O filho de Saul” mergulha na podridão do Holocausto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s